Home
Quem Somos
Localização
Serviços Viagens Cruzeiros Galeria Fotos
Info Úteis
Dicas
Contato
Mapa Site

 

Informamos que os procedimentos para obtenção do Certificado Internacional de Vacina Contra Febre Amarela mudou.

Os postos situados nos aeroportos de Congonhas e Guarulhos não aplicarão mais a vacina.

Todo viajante que precisar aplicar a vacina para viajar ao exterior deverá procurar um dos postos de saúde das Secretarias Municipais ou Estaduais de Saúde. Nestes postos, o viajante receberá o Cartão Nacional de Vacina, válido somente para o território nacional.

O cartão nacional de vacina NÃO tem validade internacional.

Brasil: Viajando para as regiões mencionadas abaixo é aconselhável a vacinação contra a febre amarela.

Região Centro Oeste:

  • Mato Grosso;
  • Mato Grosso do Sul.

Região Norte:

  • Rondônia;
  • Acre;
  • Amazonas;
  • Roraima;
  • Amapá;
  • Pará;
  • Tocantins.

Solicitamos a máxima atenção para o fato de que esta vacinação deve obedecer à uma antecedência mínima de 10 dias da data de embarque para que a imunização seja válida.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Importante:

 
  O Cartão Nacional de Vacina não possui validade internacional devendo ser apresentado nos Centros de Orientação ao Viajante para a emissão do Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia.  
 
  • Antes de procurar estes Centros recomendamos o acesso ao link logo abaixo, do site da Anvisa: http://www.anvisa.gov.br/viajante/ para realizar seu cadastro, agilizar seu atendimento e obter informações sobre os cuidados com sua saúde durante a viagem.
 
 
  • Nota: No município de São Paulo, a vacinação, já com imediata emissão do Certificado Internacional de Vacinação poderá ser aplicada apenas no:
 
 
  • Hospital das Clínicas
 
 
  Prédio dos Ambulatórios, 4º andar.
  Fone: (11) 3069 6392
  Atendimento:
  De segunda a sexta-feira
  das 07h30min às 15h30min.
© 2008 Leonetti Tur Viagens Ltda.
 
  Orientação ao Viajante
  Certificado Internacional de Vacinação
  O Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP) é um documento que comprova a vacinação contra a febre amarela e/ou outras doenças. A possibilidade de exigência do CIVP é prevista no Regulamento Sanitário Internacional (RSI) . A lista com os países que exigem o certificado está disponível na internet no sítio da Organização Mundial de Saúde ( PDF ) .
 

De acordo com Nota Técnica nº 06/07/DEVEP/SVS/MS ( PDF ) o Brasil passa a recomendar a vacinação contra Febre Amarela para viajantes procedentes de áreas internacionais de risco para transmissão da doença ou com destino a estas áreas, bem como para viajantes com destino as áreas nacionais de risco para transmissão da mesma.

  Conforme a referida Nota Técnica, o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP), válido contra a Febre Amarela passa a ser exigido, conforme Decreto nº 87, de 15 de abril de 1991 , somente para entrada em território nacional de viajantes internacionais procedentes de áreas de ocorrência de Febre Amarela que apresente risco para disseminação internacional. No momento não há nenhuma área apresentando risco de disseminação internacional da doença e, à medida que for estabelecido tal risco, será amplamente divulgado.
  ** Para estar protegido contra febre amarela, o viajante deverá ser vacinado no mínimo 10 dias antes de sua viagem. Esta vacina terá validade de dez anos, devendo ser novamente administrada até o final desse período. A validade do CIVP corresponderá ao tempo de validade da vacina.
   
  Vacinação
  As vacinas dos Calendários Nacionais de Vacinação do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde são oferecidas gratuitamente em qualquer posto de vacinação instalado em diferentes unidades de saúde das Secretarias Municipais e Estaduais de Saúde. Nestes postos o viajante receberá o Cartão Nacional de Vacina, válido em todo território nacional.
   
  Para a emissão do CIVP é necessário:
 
  • Caso tenha realizado a vacinação em unidade de vacinação da rede municipal ou estadual, a apresentação do Cartão Nacional de Vacinação preenchido corretamente com: data da administração da vacina, lote da vacina, assinatura do profissional que realizou e identificação da unidade de saúde;
  • Apresentação de documento de identidade oficial com foto (carteira de identidade, passaporte, carteira de motorista válida, etc);
  • A população indígena que não possui documentação está dispensada da apresentação de documento de identidade;
  • Apresentação da Certidão de Nascimento para menores de idade (a vacina é recomendada para crianças a partir de 9 meses).
  • A emissão do CIVP pela autoridade sanitária estará condicionada a assinatura do viajante no ato, sendo imprescindível sua presença.
  Isenção de vacinação
 


Para casos em que a vacinação ou a profilaxia for contra-indicada, deverá ser emitido o Atestado ou Certificado de Isenção de Vacinação e Profilaxia. A emissão deste certificado pode ser realizada por um profissional médico ou por um Centro de Orientação ao Viajante. Quando emitido por profissional médico deverá se utilizado o modelo de atestado médico específico, disponível abaixo, observando-se:

I. Preenchimento completo e de forma legível dos dados;

II. Identificação do profissional médico e do local onde for efetuado o atendimento;

III. Parecer médico de contra-indicação de vacinação ou profilaxia.

   
 

Para a emissão do Certificado de Isenção de Vacinação é necessário:

  • Documento de identidade oficial com foto (carteira de identidade, passaporte, carteira de motorista válida, etc);
  • A população indígena que não possui documentação está dispensada da apresentação de documento de identidade;
  • Para menores de idade (a vacina é recomendada para crianças a partir de 09 meses) é necessária a apresentação da Certidão de Nascimento.
  • Atestado médico de contra-indicação de vacinação ou profilaxia onde conste o nome do viajante e a contra-indicação para o recebimento da vacina contra febre amarela. O atestado deverá conter o endereço completo e o telefone do consultório, bem como o CRM, assinatura e carimbo do médico responsável.